Como a fase da vida influencia nosso estilo de liderança?

Leia o texto na íntegra ou ouça o episódio do Podcast:

De maneira arquetípica, todos vivenciamos questões comuns de acordo com a fase de vida na qual nos encontramos. Segundo o médico psiquiatra holandês Bernard Lievegoed, com base no estudo sobre a biografia humana e sua análise sobre a pesquisa de vários pensadores, a cada sete anos experimentamos uma nova fase em nosso autodesenvolvimento.

Quando participei da formação de consultores pelo Programa Germinar, pude analisar ainda de maneira mais focada o papel do líder e sua relação com a biografia. Compreender esta relação pode ajudá-lo a desenvolver e desempenhar melhor o seu papel no ambiente de trabalho.

Cada período da vida tem sua característica própria, seu próprio propósito. Encontrá-lo e aceitá-lo é um dos problemas essenciais relacionados com a vida.
(Erich Stern)

Entre os 14 e os 21 anos de idade, nossa maior preocupação é deixarmos de ser o adolescente que somos. Escoramos nossa identidade na identidade do grupo, e ainda não temos clareza acerca da nossa vocação. No exercício da liderança, nessa fase, enfrentamos dificuldades para compreender o outro, uma vez que todos ‘somos’ um grupo. Normalmente, tentamos impor nosso ponto de vista pelo tom de voz.

Dos 21 aos 28 anos, entramos em uma fase de luta. Luta pelo nosso lugar na organização. Nossas capacidades técnicas são postas à prova. Lidamos, nessa fase, com os ‘altos e baixos’ das emoções. Temos um foco maior na administração das coisas e, dessa forma, no exercício da liderança, em experimentos, práticas e em ferramentas, sempre com olhar voltado para a tarefa. Rejeitamos receber feedback, por provocar insegurança a respeito da nossa capacidade, o que, por vezes, estimula nossa agressividade. Ainda não estamos preparados para a autocrítica.

Entre os 28 e os 35 anos, as habilidades comportamentais predominam e influenciam nosso estilo. Procuramos agir mais pela razão do que pela emoção. Conquistamos uma maior capacidade de delegação e de ponderação. O poder, nessa fase, exerce uma grande atração sobre nós, e é preciso atenção para não nos tornarmos muito autoritários.

Dos 35 aos 42 anos, passamos a ser mais autocríticos, reconhecemos, de maneira mais clara, nossos limites, e surgem as habilidades sociais. Percebemos que motivação e entusiasmo são importantes, e que o desenvolvimento da equipe é fundamental para nosso próprio amadurecimento como líderes. Normalmente, passamos a entender que nossas ideias não são, necessariamente, as melhores.

Entre os 42 e os 49 anos, buscamos ser mais autênticos. Os detalhes deixam de ter tanta importância, e conseguimos ter, mais clara, a visão do todo e a compreender a interrelação de fatos, por vezes, distantes entre si. O desenvolvimento da equipe passa a ser uma preocupação real, e aceitamos melhor o feedback dos colegas. Temos uma visão melhor de que é importante focar mais nas pessoas do que nas coisas.

A partir dos 49 anos, sentimos o impulso de atuar, cada vez mais, como mentores, apoiando o crescimento da equipe e aceitando que todo problema pode ter sempre mais do que uma solução.

Ter consciência de como a fase da vida influencia nosso estilo de liderança, é essencial para identificarmos as habilidades que ainda precisamos desenvolver. E, mais do que isso, para que possamos colocar à disposição as nossas melhores capacidades.

E você? Em qual fase da vida está? Como tem exercido seu papel como líder?

Leia mais conteúdos do blog!

Por que é importante a consciência sobre meus valores?

Propósito e comprometimento no desenvolvimento do novo perfil de liderança

Modelo de negócios e propósito: qual a relação?

1 Comentário. Deixe novo

  • Estou na fase dos 28 aos 35, achei muito interessante o artigo, acredito que quando nos conhecemos melhor podemos ser líderes melhores também!!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Últimas Atualizações:

Menu