4 pontes entre Colaborador e Organização

Gestão e Liderança
4 Pontes entre colaborador e organização

É muito comum surgirem dúvidas sobre como cada colaborador se conecta a organização. A partir da perspectiva de que cada organização é um organismo vivo, podemos identificar 4 pontes que conectam o colaborador à organização em que atua.

Mas antes de falar sobre as pontes propriamente ditas, quero te convidar a observar o contexto em que as organizações estão inseridas, a partir da Trimembração do Organismo Social proposta por Rudolf Steiner.

Os 3 âmbitos do Organismo Social

Já estamos conscientes de que estamos todos conectados. Agora como isto acontece de fato, nem sempre é claro.

1. Cultural

No âmbito cultural vive a liberdade de expressão de cada individualidade. Neste âmbito, podemos observar toda forma de diversidade. Também podemos considerar neste âmbito, a liberdade com relação as capacidades que ofereço no mundo do trabalho, desde a escolha da profissão. Sinto que meus talentos estão sendo colocados a serviço do trabalho que executo?

2. Jurídico

No âmbito jurídico deveríamos vivenciar a igualdade de direitos. O estabelecimento de acordos que os direitos de ambas partes possa ser preservado. Como andam as relações e acordos estabelecidos entre mim e a organização em que atuo?

3. Econômico

No âmbito econômico, somos convidados a exercitar a fraternidade. Como assim fraternidade? Sim. Se estamos todos conectados, como é possível pensarmos que para atendermos nossas necessidades, precisamos ganhar, enquanto outros precisam perder? Quando o outro perde, todos perdemos. Observando a natureza, é possível perceber que o animal não acumula recursos, também não mata por matar.

Nos desenvolvemos muito tecnologicamente. Vivemos um momento na história da humanidade em que temos informação e tecnologia para realizarmos coisas que antes eram inimagináveis. Ao mesmo tempo, vivemos um momento que mais existe dependência entre nós. Você já pensou sobre o quanto você depende de outros? Para plantar o que você come, para confeccionar o que você veste, para produzir os equipamentos que permitem a nossa comunicação online, … Somos dependentes uns dos outros.

E só quando Liberdade, Igualdade e Fraternidade fizerem parte dos princípios de nossa atuação social, poderemos falar sobre um organismo social sustentável. Cada um de nós é responsável por suas escolhas, podemos transferir a outros a culpa sobre o que nos acontece, na tentativa de aliviar a nossa consciência, mas estamos pagando todos um preço muito alto, por seguirmos tentando tampar o sol com a peneira, como diziam meus avós.

A Organização e seus 4 corpos

Se pensamos a organização como organismo vivo, como ela se constitui? Vamos partir do ser humano e traçar um paralelo a organização? Abaixo baseada na experiência compartilhada por Jair Moggi e Daniel Burkhard e que puder vivenciar atuando como líder e hoje como facilitadora de processos de desenvolvimento.

Recursos

No ser humano, o primeiro corpo que podemos observar é o corpo físico. Este que podemos observar, medir, pesar, tocar. Na organização, é equivalente a seus recursos. Tudo aquilo que a organização precisa para produzir seus produtos e serviços. Na natureza, podemos encontrar equivalência no reino mineral. E como é uma rocha? Fria, sem calor, sem movimento. Você já esteve no escritório da empresa em um dia em que não havia ninguém? Que sensação você teve?

Processos

Independente do tamanho da organização, mesmo uma organização composta por somente um indivíduo, precisa de processos para funcionar. Eles podem até não estar documentados, mas acontecem no dia-dia. No ser humano, podemos perceber seu corpo vital, tudo aquilo que nos possibilita a vida. Podemos traçar um paralelo ao reino vegetal. Como é a planta? Cresce, se desenvolve, precisa dos recursos para ter vida, não é mesmo? Os processos estão inseridos em ciclos e ritmos.

Relações

Recursos e processos acontecem a partir de relações entre colaboradores. A organização não existe sem pessoas. Houve um tempo em que os colaboradores eram também consideram Recursos. Daí o nome Recursos Humanos, mas diferente do nível de recursos que vimos a pouco, as pessoas tem vida, como processos, mas além disso: sentimentos e sensações. Se fazemos um paralelo aos reinos da natureza, podem encontrar similaridade ao reino animal. Os animais, diferente das plantas, tem movimento. Eles também tem impulsos e reagem a partir deles.

Identidade

O quarto e último nível na organização é a identidade. A identidade representa a alma da organização. Em nós seres humanos, um paralelo seria nossa individualidade. Somos únicos, podemos ter semelhanças uns com os outros, mas temos uma forma única de expressão. Assim também é com a organização. A identidade é constituída de Visão, Valores e Missão. Não o que estampamos na primeira página do caderno, ou nas paredes da recepção da organização, mas o que é vivenciado como cultura.

As pontes entre colaborador e organização

Depois de traçarmos um paralelo entre indivíduo e a organização e como estão constituídos, vamos as pontes.

A primeira ponte é a ponte da segurança, entre corpo fisico e recursos. Nesta ponte o colaborador se vincula a segurança material que a organização oferece. Sua infraestrutura, o salário, e todos os benefícios tangíveis. Talvez você já tenha testemunhado a situação de algum colaborador que permanece na organização em função do seu plano de saúde, por exemplo, esta é uma ponte relacionada a segurança. As habilidades técnicas são as mais valorizadas nesta ponte.

Vamos a segunda ponte, a ponte entre corpo vital e processos. Esta é a ponte da dedicação. O colaborador em seu dia-dia se dedica a executar com qualidade o seu trabalho. Sua atuação apóia o desenvolvimento da organização. Existem recursos para execução da tarefa e os fluxos de trabalho são conhecidos. As habilidades administrativas se destacam nesta ponte.

Já na terceira ponte, entre corpo das sensações e o nível das relações, nos encontramos com a motivação. O colaborador se sente bem em seu ambiente de trabalho, motivado a fazer o que precisa ser feito. Isso vai além de estar imerso em processos e fluxos. Quando o colaborador se vincula a organização através desta ponte, o trabalho passa a ser eficaz. Aqui são as habilidades sociais, as que se destacam.

Na quarta e última ponte, há o vínculo entre identidade do colaborador, através de seus talentos, valores individuais, missão de vida e a identidade da organização, com sua razão de ser, sua essência, seu propósito. Neste nível nos identificamos com nosso trabalho, trabalhamos com sentido e significado.

Conclusão

Esses níveis, assim como as pontes, se estabelecem de maneira dinâmica, é nada acontece isoladamente. Porém podemos perceber a influência de um nível em outro. Como por exemplo:

  • Quando as relações predominam sobre a identidade, identificamos um ambiente conflituoso, competitivo e onde a fofoca e a politicagem imperam. Os processos são manipulados e os colaboradores focam em resultados de curto prazo;
  • Quando os processos estão em destaque, existe um excesso de formalismo. A equipe fica presa a repetição de padrões, e todos percebem uma burocratização que impede o desenvolvimento da organização, além de uma alienação e falta de motivação dos colaboradores;
  • Quando o nível dos recursos é predominante, o lucro passa a ser o objetivo, e a luta por ele passe a ser a qualquer custo. Abrindo espaço para corrupção e especulação.

Uma identidade clara e que dê um sentido para a existência da organização, norteia as atitudes e comportamentos. Favorecendo processos que fluem de maneira eficaz, promovendo assim a saúde do organismo como um todo.

Como você tem desenvolvido as pontes entre sua equipe e a organização?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Últimas Atualizações:

Menu