Como pequenos gestos podem transformar relações

Gestão e Liderança
Como pequenos gestos podem transformar relações

Leia o texto na íntegra ou ouça o episódio do Podcast:

A capacidade de transformar atitudes e comportamentos em nosso dia a dia, exige, de nós, resiliência, persistência e muita força de vontade. Desenvolver uma atitude compassiva diante das relações humanas pode gerar grandes resultados a partir de pequenas ações.

Dalai Lama, quando perguntado se a compaixão pode ser treinada ou ensinada, afirmou que sim. Temos a capacidade de treinar essa atitude. Em nossa natureza humana, somos capazes de sentir compaixão, ou seja, de preocupar-se com o bem-estar do outro a ponto de tomar uma ação em seu benefício.

A maternidade tem me ensinado, a cada dia, o poder dessa atitude com relação às nossas filhas. Também é natural desenvolvermos compaixão por pessoas próximas, com as quais nos importamos profundamente. Mas será que é possível desenvolver esse sentimento por pessoas com as quais não temos intimidade, nossos colegas de trabalho, desconhecidos, ou mesmo aqueles que despertam, em nós, sentimentos de antipatia? Este é o nosso desafio em relação ao autodesenvolvimento.

Micromovimentos: Grandes resultados a partir de pequenas ações

Podemos praticar compaixão a partir de pequenos movimentos. Kerry R. G. e Beth Schinoff, professoras em universidades americanas, sugerem a prática de micromovimentos que podem melhorar os relacionamentos no trabalho, como um pequeno ato de gratidão ou de compaixão. Para ter certeza se estamos no caminho certo, elas sugerem os seguintes princípios:

  • Compreender o ponto de vista do colega. Tente colocar-se no lugar do outro e imaginar como você reagiria a uma determinada ação no lugar dele.
  • Reconhecer que as pequenas ações nem sempre são intencionais. Em nosso agir automático, às vezes praticamos pequenas atitudes desalinhadas de nossa verdadeira intenção. Se isso acontecer e você perceber alguma reação inesperada de um colega, faça uma pergunta, tente esclarecer o fato ao invés de supor o real motivo.
  • Compreender o próprio papel na história. Adote a perspectiva do observador externo e observe suas ações. Como você tem se relacionado? Qual tem sido seu papel nas situações de trabalho? O seu comportamento aproxima ou afasta as pessoas? Quais conselhos você daria para alguém na mesma situação?
  • Registre suas pequenas ações em um diário. Se há relacionamentos que você gostaria de modificar, invista tempo! Anote suas pequenas ações e o impacto delas. Isso o ajudará a identificar padrões e ampliar as oportunidades de melhorá-los.
  • Saber que as pequenas ações boas ou más não se equivalem. Infelizmente, ações ruins são muito mais poderosas, geram mais impacto do que as boas. Assim, se você realizou uma ação que gerou um impacto ruim, pense logo em seis ações que poderiam gerar um melhor resultado.

Os Kudo Cards

Uma prática sugerida em Management 3.0 para reconhecimento no ambiente de trabalho, são os Kudo Cards. Pode ser uma pequena ação de reconhecimento e gratidão. Ao utilizar esta ferramenta com objetivo de desenvolver uma atitude mais compassiva, coloque-se no lugar de quem receberá o reconhecimento e pense em como gerar bem-estar a essa pessoa com esta atitude. Talvez você também possa utilizar essa mesma ferramenta em casa ou em outros relacionamentos, não só profissionais.

A compaixão pode ser considerada um nível avançado de altruísmo. O desejo real de fazer algo pelo outro, sentimento transformado em ação. Penso que, em nosso contexto social, esta é uma atitude que está sendo clamada por nosso tempo. Pequenos gestos podem transformar realidades.

Qual pequena atitude compassiva você pode realizar hoje?

Últimas Atualizações:

Menu