Como equilibrar o poder feminino e masculino no exercício da liderança?

Gestão e Liderança
O equilíbrio entre estas qualidades é necessária para a construção de ambientes de trabalho mais felizes e produtivos.

Leia o texto na íntegra ou ouça o episódio do Podcast:

Há séculos estamos enfatizando qualidades masculinas no exercício da liderança, porém a transformação digital e o contexto complexo em que vivemos está exigindo outras qualidades, qualidades vinculadas ao arquétipo feminino. O poder feminino e masculino são necessários para a construção de ambientes de trabalho mais felizes e produtivos.

No livro Liderança Shakti, os autores Nilima Bhat e Raj Sisodia, compartilham uma perspectiva mais consciente e equilibrada sobre o exercício da liderança.

Afinal, que qualidades representam o poder masculino e feminino?

Como qualidades masculinas aplicadas ao exercício da liderança, os autores destacam:

  • Clareza;
  • Assertividade;
  • Foco;
  • Direção;
  • Ordem;
  • Disciplina;
  • Estrutura;
  • Discernimento;
  • Força;
  • Convergência.

Você reconhece algo de militar nestas qualidades? Estas características foram e ainda são necessárias para o desenvolvimento do mundo em que vivemos. Se buscamos a conquista e o estabelecimento de um lugar no mundo, é difícil realizar sem foco e direção. Porém nossos desafios atuais tem exigido de nós:

  • Empatia;
  • Gentileza;
  • Inclusão;
  • Nutrição;
  • Abertura;
  • Criatividade;
  • Variedade;
  • Sabor;
  • Confiança;
  • Vulnerabilidade.

Estas qualidades representam o polo feminino, portanto da criatividade e da inovação. Como líderes estamos sendo chamados a desenvolver ambientes que possibilitem o surgimento de novas ideias, bem como a colaboração, o despertar coletivo que pode gerar o novo.

É preciso encontrar o equilíbrio

Sou testemunha de como o paradigma passado da liderança valoriza o polo masculino. Porque, eu como mulher, atuando na liderança de grandes equipes, quando realizo uma retrospectiva de minha carreira, posso observar que valorizei e entendi que o líder de sucesso era aquele capaz de oferecer qualidades masculinas a favor da realização do propósito organizacional. Além disso, em muitas situações minhas qualidades femininas pareciam demonstrar fraqueza. A maturidade me fez compreender que é possível sim encontrar o equilíbrio entre ser assertivo e empático. 

Precisamos ser mais flexíveis. No livro Liderança Shakti, os autores chamam a atenção para o poder da Presença. Presença como estado de consciência e a possibilidade de tomar decisões que tenham um significado maior e não a satisfação de nosso próprio Ego. 

O propósito

Quando atuamos de acordo com nosso propósito, e servimos o propósito organizacional, a nossa energia não se esgota. Isto é, estamos conectados a fonte. Talvez você se faça hoje, ou já se tenho feito perguntas como: Qual é o meu propósito? O que estamos fazendo aqui? Estas mesmas questões precisam ser respondidas pela organização. 

Casey Sheahan, ex-CEO da Patagonia, compartilha sua experiência na busca de propósito: Prestar atenção as suas emoções, ideais e ações e discernir quando estava agindo por interesse próprio ou por ambição. Seu objetivo era tornar sua comunidade e o mundo um lugar melhor.

Acredito que a desigualdade, a violência, todos os efeitos colaterais a forma como nos organizamos hoje no âmbito social, podem ser transformados. Esta mudança será possível somente com ações lá fora, ela depende da mudança de cada um de nós. A busca consciente pelo equilíbrio e autodesenvolvimento, pode ser o primeiro passo.

“O líder que você é é a pessoa que você é”

Nilima Bhat & Raj Sisodia

Abrindo espaço para o novo

O caminho de autodesenvolvimento, exige que a partir da consciência, possamos transformar hábitos, comportamentos, deixando o velho jeito de fazer, dê lugar ao novo.

A sugestão de Nilima e Raj é percorrermos uma jornada consciente:

  1. Antecipe a mudança: Quais são as crises pelas quais você vem passando? O que pode ser transformado? O que perturba o seu equilíbrio?
  2. Permita que o velho jeito de ser morra: Deixe para trás a energia negativa da morte, só quando você permitir que o velho fique para trás, algo novo poderá surgir. Abra este espaço.
  3. Engaje seu potencial não realizado: Conecte-se com sua força interior, ou seja, busque estar presente. Que novas descobertas sobre você é possível a partir de seu estado de presença?
  4. Desenvolva novas capacidades: Você não precisa realizar grandes mudanças de uma vez, assim sendo, que pequena ação é possível hoje? 
  5. Transforme o mundo: Quando mudamos o mundo muda. Assim sendo, quanto mais nos aproximamos de nosso propósito, mais contribuímos com um ambiente mais feliz e produtivo.

Que velhos hábitos você pode deixar morrer hoje? 

Se você ainda não leu, eu recomendo: Liderança Shakti – O equilíbrio do poder feminino e masculino nos negócios

Leia outros artigos:

Últimas Atualizações:

Menu